30 de março de 2015

{desabafo}

Desconfio que a alegria é subestimada.
Só se fala de felicidade. As razões para a felicidade já se sabe que vão e vem, mas a alegria é uma coisa que vem de dentro e é resistente como um líquen.
A alegria é até capaz de produzir felicidade.

Bom dia coraçõezinhos de robot!

  
 
O autómato androide de Maria Antonieta.
No vídeo é possível vê-lo em funcionamento:
 


 

{histórias de amor do caneco} Yann Andréa e Marguerite Duras

 

20 de março de 2015

{querido diário} - sueño

Quando vou buscar o Simão à escola temos de andar um bom bocado a pé. Para tornar o caminho mais curto brincamos a encontrar tesouros perdidos: botões, moedas, flores, caricas, pequenas coisas que aparecem no caminho.

Ontem ele descobriu um frasquinho verde tapado com uma rolha. Estava entalado entre duas pedras da calçada e era minúsculo, do tamanho da falangeta do meu dedo mínimo.
-Deixa-me ser eu a guardar o frasquinho, não sabemos o que tem dentro, pode ser perigoso...
-Achas que se eu tomar o que está aí dentro cresço muito de repente?
-Nunca se sabe...

Hoje quando arrumava a mala reencontrei o frasquinho. Reparei que continha um papelinho enrolado que retirei com a ajuda de uma pinça. Nele estava escrito: Persigue ese sueño que tienes.

Nunca largo o meu sonho, mas naquele momento uma força cresceu por magia dentro de mim como uma Alice no Pais das Maravilhas.


19 de março de 2015

Um poema de Manoel de Barros

A poesia está guardada nas palavras – é tudo que eu sei.
Meu fado é o de não saber quase tudo.
Sobre o nada eu tenho profundidades.
Não tenho conexões com a realidade.
Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro.
Para mim poderoso é aquele que descobre as insignificâncias (do mundo e as nossas).
Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.
Fiquei emocionado.
Sou fraco para elogios.

15 de março de 2015

{anita mamã}

-Mãe, o que é que há mais no mundo? E não digas que é amor, eu quero saber se é água ou areia!!


(bolas, o miúdo já me topou...)

5 de março de 2015

Boas notícias pela manhã


"Recebemos muitos comentários sobre o fato de fazer uma mudança na política que afeta blogs de longa data e sobre o impacto negativo que isso poderia ter sobre as pessoas que postam conteúdo sexualmente explícito, impedindo-as de expressar suas identidades.
Agradecemos os comentários. Em vez de fazer essa mudança, manteremos nossas políticas existentes."


Yeah!

28 de fevereiro de 2015

{desabafo}

 
 
Parem de me tentar enlouquecer com vestidos que mudam de cor cada vez que olho para eles.
Se querem mesmo saber, tanto dá que seja branco e dourado ou azul e preto. É feio de qualquer das maneiras, ok?
 
{e agora vou para a banheira com a minha Barbie Sereia cujo biquíni desaparece quando molhado...}

Um poema de Flavio Caamaña


a cabeça é a parte mais pesada do corpo
nela podemos guardar frigoríferos e geleias
cem quilômetros de paisagem e preconceito
sendo possível espirrar cuspir engolir sorrir
e sustentar cerca de 150.000 fios de cabelo...
ela acomoda um cérebro de um quilo e meio
queima dúvida e certeza por nada de cinzas
abre-se nela uma boca e salta pelos olhos
um punhado de riqueza num dente de ouro
uma pobreza um desprezo num duro murro
entende o que é lentilha e o que é gordura
administra vinte e dois ossos extremamente
em harmonia com as orelhas que só ouvem
compactua com a língua e o apuro obsceno
capaz de cortar desaforo e computar gozo
a cabeça é a parte mais pesada do corpo
nela o café é fervido a carne é amaciada
nela aniquilada a bondade e a simetria
nela um barco de água é muito dinheiro
e da cabeça ao peito se abre um buraco